Relato de Projeto: Palestra de Reinaldo Bulgarelli

No início de 2011, quando ainda estava começando a trabalhar com Facilitação Gráfica, tive a oportunidade de fazer a Colheita de uma Palestra de Reinaldo Bulgarelli, que era parte da abertura de um Workshop de um cliente que tinha como objetivo alavancar negócios a partir do olhar mais atento para a diversidade.

Realizei o trabalho (retratado acima, apenas a parte relativa à abertura, com algumas partes borradas propositalmente por serem conteúdo confidencial) e enviei o painel para os envolvidos. Qual não foi a minha surpresa receber o retorno do palestrante dizendo que a leitura daquele conteúdo tinha sido muito importante para ele?

Nunca tinha imaginado que o autor do conteúdo (especialmente sendo um conteúdo elaborado, palestrado, reelaborado, palestrado novamente…) tivesse algum benefício expressivo em fazer a leitura dos registros de sua palestra.

Então ele me explicou que, ao final de sua fala, a primeira manifestação da platéia partia de pressupostos opostos aos que ele havia tentado transmitir, o que o deixou muito desconfortável, sem saber se ele não tinha conseguido se expressar. A leitura do registro serviu para tranquilizá-lo, tanto por certificar-se de que sua apresentação tinha sido adequada, quanto por saber que todos haviam recebido esse “reforço da mensagem” ao final do evento.

Como esta comunicação se deu por e-mail, transcrevo aqui as palavras exatas:

“Camila, eu não faria uma síntese melhor e tão bem ilustrada. Que bom ver a fala da gente retratada de forma que faça sentido pra gente mesmo. Eu aprendi muito com a minha fala! Obrigado!

Você pegou os pontos exatos da mensagem. Falei muito e de muitas coisas, mas o tempo era curto para trabalhar tanta complexidade. Você foi exatamente nos pontos. Qualquer um que olhar aquilo vai ter acesso à essência da minha mensagem, aquilo que eu queria que entendessem para poderem trabalhar nos momentos seguintes. Eu me identifiquei totalmente e volto a dizer: não faria resumo melhor, muito menos tão lindamente ilustrado. E olha que uso fotos, imagens lindas na minha apresentação.

Saindo de diversidade e generalizando, é uma forma muito bacana do próprio falante perceber o que disse e dos ouvintes pegarem novamente o que foi dito e não percebido, seja pelo registro, seja pelos destaques gráficos. A percepção é seletiva e muita coisa se perde por não escutarmos ou por estarmos maquinando alguma coisa enquanto o falante fala (e, no meu caso, põe falante nisso).

Eu também vi o material como música para os meus ouvidos porque, se você se lembra, assim que eu terminei de falar, a primeira intervenção foi absolutamente contrária de tudo que eu havia dito. Fique mega frustrado imaginando que não dito nada direito naquele afã de cumprir o tempo. Agora sei que a Camila entendeu tudinho o que eu disse, hehehe! Se os outros entenderam também, que ótimo!!

Recapitulando, esse relato fala sobre os seguintes benefícios da Colheita:

  • Auxiliar na checagem de entendimento (verificar se “aquilo que foi dito”, “aquilo que foi captado pela Colheita” e “aquilo que foi entendido pelos presentes” coincidem);
  • Memória e reforço dos principais pontos da mensagem transmitida.